Educação na Itália

download (1)Penso que este assunto seja muito importante para quem deseja mudar de país com os filhos em idade escolar, ou para os jovens que desejam encarar este desafio sozinhos e dar continuidade aos estudos. Posso dizer que antes de partir dedicamos muitas horas, dias, meses à pesquisa de um lugar adequado para iniciar a nossa história na Itália. A nossa exigência principal era que o lugar tivesse uma boa estrutura em âmbito educacional. Na mesma semana em que chegamos aqui, fizemos a matrícula da nossa filha em uma escola pública. Na verdade, onde ela iria estudar foi a primeira coisa que estabelecemos na nossa nova vida e todo o resto foi estipulado depois. Lembro como se fosse hoje quando eu e minha esposa visitamos a escola e fomos recebidos pela diretora. Era um liceo scientifico (ensino médio com ênfase na área de exatas). A primeira coisa que ela nos perguntou foi se a nossa filha já sabia alguma coisa de latim…rsrsr. A menina ainda estava aprendendo o italiano e o latim, obviamente, era algo totalmente desconhecido. Apesar dos conselhos da diretora que nos sugeriu um curso em uma escola menos exigente, minha filha nem pensou em desistir. Disse para confirmarmos a matrícula, aceitou o desafio e foi à luta. Teve total apoio dos educadores e colegas, mas o período de adaptação não foi nada fácil. Uma grande convicção de que era possível superar as dificuldades fez com que ela tivesse forças para persistir e, no final das contas, concluiu o curso no tempo previsto e ainda obteve uma média excelente. Decidi fazer este post e compartilhar a nossa experiência com aqueles que estão pensando em dedicar-se aos estudos aqui na Itália porque penso que a educação pública seja um dos fatores que mais pesam na hora de decidir se vale a pena começar uma nova vida no exterior.

Entendendo como funciona o sistema educacional italiano

 A educação na Itália é regulamentada pelo Ministério da Educação, do Ensino Superior e da Pesquisa (Ministero dell’Istruzione, dell’Università e della Ricerca) com modalidades diferentes conforme a forma jurídica (escolas públicas, escolas paritárias, escolas particulares). Por sua vez, a formação técnica profissionalizante depende das regiões.

       Ciclos de formação

 grafico escO sistema educacional italiano subdivide-se em três ciclos de formação:
• A educação primária, que compreende a escola primária, com duração de cinco anos.
• A educação secundária, que compreende a escola secundária de primeiro grau (antigamente denominada escola média inferior) com duração de três anos, e a escola secundária de segundo grau (antigamente denominada escola média superior) com duração de cinco anos.
• A educação superior, que compreende a universidade, os cursos superiores de arte, música e dança e a formação profissional.
Porém, deve-se ressaltar que em âmbito ministerial adota-se a divisão do sistema educacional em apenas dois ciclos: o primeiro, que compreende a educação primária e a secundária de primeiro grau, e o segundo, que compreende a educação secundária de segundo grau.

       

 

                   Educação pré-escola                                                                                                                   infantil

A escola infantil é uma instituição pré-escolar não obrigatória, caracterizada pela adoção de atividades lúdicas que visam desenvolver a socialização das crianças com os colegas e prepará-las para o primeiro ciclo de educação, ou seja, a escola primária. A duração média é de três anos e divide-se da seguinte maneira: classe dos “pequenos” (primeiro ano), classe dos “médios” ou “intermediários” (segundo ano) e, por último, classe dos “grandes” (terceiro ano). Com a reforma Gelmini passou a ser possível matricular crianças de dois anos e meio, enquanto anteriormente havia a obrigatoriedade de a criança ter três anos completos.  Antigamente na Itália era denominada “escola materna”, até a introdução da reforma Moratti em 2003.

    Educação primária                                                                                  

primaria    

A escola primária, que anteriormente à reforma Moratti denominava-se escola elementar, é a instituição que representa a educação primária na Itália. Anteriormente era dividida em dois ciclos, um biênio e outro triênio, com um exame final para a conclusão e o acesso às escolas de segundo grau. Com a Reforma Moratti houve a divisão em 3 ciclos, um ano único e dois biênios e o exame final foi abolido. Na história da escola primária houve a sucessão de dois modelos didáticos: o do educador único e o do módulo didático. A figura do educador único esteve presente até 1990 quando se iniciou um processo de experimentações que durou alguns anos até a completa substituição do educador único por um grupo de docentes (3 para duas classes ou 4 para três classes, denominado módulo didático. Com a reforma Gelmini a figura do educador único foi reintroduzida. Com o decreto-lei n°.59 de 2004 referente à aplicação da lei Moratti, criou-se uma nova figura: o docente tutor que é uma figura de orientação, de consultoria, de acompanhamento para cada estudante tendo em vista a obtenção do grau de formação previsto

  Educação secundária

 

                                 Primeiro grau

scuola-esami-terza-media-ansa--258x258

A escola secundária de primeiro grau, anteriormente denominada escola média inferior, é a instituição que representa o primeiro grau de educação secundária. Até 2003 o acesso a ela estava condicionado à obtenção do diploma primário (atualmente abolido). A escola média inferior foi criada em 1965 com a unificação dos ginásios que davam acesso aos liceus, aos institutos técnicos e às escolas de formação profissional. A partir de então passou-se a falar de escola média unificada.

O horário semanal da escola secundária de primeiro grau é constituído por dois planos semanais: um de 30 horas (tempo normal) e um de 36 horas (tempo prolongado). Apenas para o inglês foi estabelecido um número fixo de 99 horas anuais (3 horas por semana) e para a tecnologia, 66 horas anuais (2 horas por semana). As matérias estudadas são (em média): Italiano (6 horas semanais), História e Geografia (incluindo Cidadania e Constituição) (3 horas), aprofundamento em disciplinas literárias (1 hora), Matemática (4 horas), Ciências (2 horas), Tecnologia (2 horas), Língua Inglesa (3 horas), Segunda língua da comunidade europeia (2 horas), Arte e Imagem (2 horas), Música (2 horas), Ciências do movimento humano e esportivas (2 horas), Religião católica ou atividade alternativa (1 hora).

Recentemente foi implementado a título experimental um curso musical no qual são selecionados alunos para um número limitado de vagas. Eles têm a possibilidade de estudar um instrumento musical em relação ao qual, no fim do ciclo, são avaliados através de um exame.

                               Segundo grau

A escola secundária de segundo grau, anteriormente denominada escola média superior, representa o segundo grau do ciclo de instrução secundária. É possível ter acesso à escola superior após a obtenção do diploma de escola média no final da escola secundária de primeiro grau. A escola secundária de segundo grau é dividida em três tipos de institutos: liceus, institutos técnicos, institutos profissionais.

liceo novo                  Liceus

é um tipo de escola superior de segundo grau cujo objetivo é formar o estudante em âmbito acadêmico e prepará-lo para as universidades e instituições de terceiro grau. O nome Liceu remete-se ao Liceu de Aristóteles, fundado em 336 a.C. pelo filósofo grego. O Liceu de Aristóteles, por sua vez, recebeu este nome em homenagem a Apolo Lício.

Os liceus têm uma duração de cinco anos, divididos em dois biênios e quinto ano. Os seis tipos de liceus previstos pela Reforma Gelmini são os seguintes:

Ao longo da história alguns liceus foram introduzidos e unificados e outros foram extintos, exceto o liceu clássico, no qual o estudo da língua estrangeira dos primeiros dois anos foi estendido para os cinco anos.

 

                  Institutos técnicos

 Istituto-Tecnico-Nautico-C.-Colombo-Sala-Macchine

Um instituto técnico é um tipo de escola secundária de segundo grau com ênfase no ensino técnico conforme a regulamentação italiana. A técnica, concebida como uso lógico e apropriado de instrumentos para obter um resultado preestabelecido, é a característica comum do percurso de formação de um instituto técnico. O instituto técnico distinguia-se inicialmente do instituto profissional tanto pela duração do curso de estudos, que era de cinco anos, tanto pela preparação conjunta entre teoria e prática capaz de garantir uma base adequada para permitir a inscrição na universidade. Com a reforma Gelmini, foram criados dois macrossetores: o econômico e o tecnológico. Os institutos têm duração de cinco anos, com um biênio comum e introdutório e um triênio no qual são abordadas as matérias específicas da área escolhida.

            Institutos profissionais
    profissionale

Um instituto profissional é um tipo de escola secundária de segundo grau  que se distingue do instituto técnico em relação às áreas e à possibilidade de obter uma qualificação já no 3° ano. Se houver continuidade nos estudos até o 5º ano, obtém-se um diploma de ensino secundário que dá acesso a todas as universidades. Diferentemente dos liceus e dos institutos técnicos, oferece uma formação menos genérica e mais especializada. Com a reforma Gelmini, a partir do ano escolar de 2010/2011 foram criados dois macrossetores: um para o setor de serviços e outro para o setor da indústria e do artesanato.

      Educação superior

musica

 Curso superior de arte, música e dança

Refere-se à formação fornecida pelas academias de Belas Artes, pela Academia Nacional de Dança, pela Academia Nacional de Arte Dramática, pelos Institutos Superiores para as Indústrias Artísticas (ISIA), e pelos conservatórios de música e institutos musicais reconhecidos pelo Ministério da Educação, ficando excluídas a Escola Nacional de Cinema – Centro Experimental de Cinematografia e a Academia Nacional do Drama Antigo.

A lei de 21 de dezembro de 1999, n°. 508 instituiu o setor do ensino superior de arte, música e dança (AFAM), paralelo ao setor universitário dentro do sistema italiano de educação superior como previsto pela Constituição italiana no artigo 33.

A lei de 24 de dezembro de 2012, n°. 228 estabeleceu que os diplomas acadêmicos de I nível “são equivalentes aos diplomas de graduação emitidos pelas universidades que pertencem à classe L-3 dos cursos superiores de artes figurativas, música, espetáculo e moda de acordo com o decreto ministerial de 16 de março de 2007, publicado no Jornal Oficial n°. 153 de 6 de julho de 2007”. A mesma lei estabeleceu que os Diplomas Acadêmicos de II nível deixaram de ser experimentais para se tornarem regulamentares e que são equivalentes às seguintes classes de Segundo Ciclo de Graduação: -Classe LM-12 (Design) -Classe LM-45 (Musicologia e Bens Musicais) -Classe LM-65 (Ciências do Espetáculo e produção de multimídia) -Classe LM-89 (História da Arte)

A equiparação aos segundos ciclos de graduação (II nível) foi prevista pela lei 228/2012 para os diplomas da norma vigente anteriormente desde que fossem acompanhados por um diploma final de escola secundária de segundo grau e obtidos até o ano de 2012, se fossem obtidos posteriormente, teriam valor de primeiro ciclo de graduação (I nível) nos termos da lei de 22 de novembro de 2002, n°. 268

                                                                            Universidade

universita

A Itália foi um dos primeiros países a aderir ao processo de Bolonha, com a participação de quase todas as universidades, já no ano acadêmico de 1999/2000. O ciclo dos estudos na universidade é proposto em três níveis:

  1. Primeiro Ciclo de Graduação (Laurea) (três anos)
  2. Segundo Ciclo de Graduação  (Laurea Magistrale) (dois anos)
  3. Doutorado de Pesquisa (de três a cinco anos)

Além disso existe a possibilidade de inscrever-se em um curso de graduação de ciclo único, que possui a mesma validade dos segundos ciclos de graduação, distribuídos nos seguintes tipos de faculdade:

  1. Arquitetura ou Engenharia Civil (cinco anos)
  2. Farmácia
  3. Química farmacêutica
  4. Direito
  5. Ciências da Educação idem
  6. Ciências Veterinárias idem
  7. Medicina (seis anos)
  8. Odontologia idem

Os cursos de Medicina, Odontologia, Ciências Veterinárias e Arquitetura/Engenharia Civil são de acesso programado, ou seja, possuem um número de vagas disponíveis estabelecido antes do início do novo ano acadêmico pelo Ministério da Educação, sendo que as vagas são atribuídas conforme a classificação por pontuação obtida pelos candidatos na prova de seleção que, ao contrário das outras faculdades, possui caráter vinculativo.

Com exceção desses cursos, todos os outros cursos de graduação, sejam eles de primeiro ou segundo ciclo, não possuem um número de vagas definido, salvo nos casos em que as universidades decidem limitar o acesso através de uma prova de ingresso com pontuação vinculativa, para fins semelhantes aos das faculdades citadas anteriormente. Além disso, mesmo se a prova inicial for feita em uma faculdade de acesso livre, pode acontecer que o resultado obtido seja considerado insatisfatório e obrigue o estudante a compensar as lacunas eventualmente detectadas através da realização de exames adicionais. As escolas de especialização, especialmente de área médica, são de acesso programado.

As universidades oferecem percursos de formação superior e profissionalização de primeiro ou segundo nível conhecidos como master (pós-graduação), que não são configurados como verdadeiros ciclos acadêmicos apesar da adoção do mesmo sistema de créditos. Quase todas as universidades são públicas e financiadas em conjunto com o Estado e, de forma mais intensa nos últimos tempos, pelos estudantes através das redes universitárias. No entanto, a oferta acadêmica italiana não se limita apenas ao setor público devido à presença das entidades universitárias privadas. A maioria delas é sem fins lucrativos, e algumas são também exemplos de prestígio internacional: Università Cattolica, Bocconi, Luiss, Iulm, San Raffaele, para citar algumas.

  O sistema de ensino resumido

  • Scuola dell’infanzia (Escola infantil) (3 anos)
  • Scuola primaria (Escola primária) (5 anos, obrigatória)
  • Scuola secondaria di primo grado (Escola secundária de primeiro grau) (3 anos, obrigatória)
  • Scuola secondaria di secondo grado (Escola secundária de segundo grau) ( 5 anos, os primeiros 2 são obrigatórios)
  • Università (Universidade) (3, 5 ou 6 anos, mas pode ser mais longa no caso de complementação com doutorado de pesquisa ou diplomas de aperfeiçoamento).

 

Espero que este post seja útil para a realização dos projetos de todos aqueles que já obtiveram o reconhecimento da cidadania italiana e para os que estão no caminho. Un abbraccio a tutti e arrevederci.

Fonte:  Wikipedia – Istruzione in Italia – texto original em Italiano traduzido por Mariângela Souza Ragassi.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: